Cuidar bem dos pés é muito importante para quem tem problemas vasculares, como por exemplo, doença arterial obstrutiva periférica (DAOP). No entanto, os pacientes diabéticos necessitam especial atenção em relação aos pés, uma vez que são mais suscetíveis à ocorrência de doença vascular, infecções e neuropatia (perda da sensibilidade dos pés). Esses fatores propiciam alterações em todas as estruturas do pé, como artérias, veias, vasos linfáticos, músculos, ossos, articulações, nervos e pele. Como consequência, várias complicações podem ocorrer, desde distúrbios funcionais leves dos pés até lesões graves com gangrenas mutilantes.

O diabetes melito é um distúrbio metabólico que prejudica a capacidade de metabolização dos glicídios em função da diminuição da produção de insulina pelo pâncreas. Consequentemente, ocorre um aumento significativo das taxas de açúcar no sangue (hiperglicemia) e o comprometimento de vários órgãos com o passar dos anos. Nos diabéticos, o envelhecimento das artérias (aterosclerose) tende a ser mais grave que nos não-diabéticos. Além disso, ocorre uma degeneração dos nervos periféricos chamada de neuropatia, doença que resulta em perda de sensibilidade, sensação de formigamento e dor nos pés ou sensação de fraqueza nas pernas.

A perda de sensibilidade causada pela neuropatia faz com que os pés sejam lesionados mais facilmente. Se não tratadas, as lesões nos pés dos diabéticos podem se tornar extremamente graves, levando à morte tecidual associada à infecção (gangrena) e consequente amputação.

O tratamento dos diabéticos é composto de cuidados clínicos gerais (não fumar, controlar a pressão, o colesterol e o peso, fazer exercícios regularmente, etc.) e cuidados específicos, como dieta adequada, uso de medicações hipoglicemiantes orais ou insulina e cuidados com os pés.

O cuidado com os pés em pacientes diabéticos, portanto, engloba tanto a higiene como a proteção contra lesões. Abaixo estão algumas dicas de cuidados.

Verifique os pés diariamente: Fique atento para a presença de cortes, bolhas, áreas vermelhas, sensação de calor e inchaço nos pés, tornozelos e entre os dedos. Pacientes com dificuldade para ver as solas dos pés devem usar um espelho ou solicitar que outra pessoa faça a verificação periodicamente. Qualquer anormalidade deve ser informada ao médico imediatamente.

Lave os pés diariamente: Lave os pés com água morna (não quente demais), mas não deixe os pés de molho, para evitar desidratação. Seque bem os pés, inclusive entre os dedos.

Hidrate os pés para manter a pele macia: Aplique uma camada fina de loção hidratante nos pés diariamente para mantê-los macios e evitar pele seca e rachaduras. Evite passar a loção entre os dedos.

Não use tratamentos caseiros: Ao observar pele seca, calosidades ou outras anormalidades, procure tratamento médico. Um tratamento inadequado pode causar lesões à pele.

Corte as unhas regularmente: Pacientes com dificuldade de cortar as próprias unhas devem solicitar auxílio. Ao observar unhas mais grossas, amareladas ou encravadas, informe seu médico.

Use sempre meias e sapatos fechados: Os pés devem estar sempre protegidos, mesmo dentro de casa. Meias que servem bem, são macias não têm bainha são a melhor opção; sapatos devem ser largos, para não comprimir os dedos, e de preferência completamente fechados. Antes de calçar os sapatos, lembre-se de verificar se não há nada dentro deles que possa machucar os pés.

Compre sapatos em tamanho adequado: Sapatos apertados causam bolhas e ferimentos. Os sapatos ideais são ajustados o suficiente para que os pés não fiquem deslizando e têm espaço suficiente para permitir que os dedos se movimentem. Deve-se dar preferência a sapatos de bico redondo e com saltos baixos. Existem palmilhas de silicone especiais para pacientes diabéticos com alterações na estrutura dos pés.

Evite expor os pés a temperaturas extremas: Situações de calor intenso, tais como pavimento quente, exposição à luz solar, aquecedores, bolsas de água quente, etc. devem ser evitadas. Da mesma forma, no inverno, os pés devem ser protegidos contra o frio, e deve-se ficar atento ao surgimento de frieiras.

Mantenha o fluxo sanguíneo ativo nos pés: Mexa seus dedos dos pés e flexione seus pés e tornozelos durante 5 minutos duas a três vezes por dia. Não dobre as pernas por longos períodos de tempo e evite meias apertadas, que podem causar inchaço e pressão nas pernas.

Faça exercícios regularmente: O exercício físico melhora a circulação e a saúde geral. Atividades como caminhar, dançar, nadar e andar de bicicleta, por exemplo, contribuem para a saúde geral e, ao mesmo tempo, minimizam a pressão nos pés. Consulte seu médico antes de começar qualquer exercício.

 

 

 

 

aneurisma carotida varizes aorta obstruções-arteriais
Cuidados com o pé diabético